AFIRMAÇÃO DO MODERNISMO NA ARQUITETURA DE CURITIBA

17 de março de 2017 por keyimaguirejunior

(Palestra no Curso de Arquitetura da Unibrasil – 17/03/17)

 – O que é o Modernismo

O caminho para o Moderno passa pela renovação da linguagem. É preciso saltar para o desconhecido. O salto para o desconhecido é a vanguarda – o Moderno se compõe de vanguardas – elas são o afastamento da correnteza. A vanguarda é contestatória e preocupa as sociedades e autoridades constituídas, que a enquadram como loucura e insensatez. Mas o Modernismo não é uma ameaça, consiste num modo alternativo de percepção.

Perrault: o Moderno é sempre superior ao antigo, porque o contém e supera. Baudelaire: o Moderno é uma qualidade em si mesmo.

A vanguarda faz a crítica da História e a nega para poder afirmar-se. Ela é dinâmica e o Modernismo, sua assimilação estática. O Moderno é poderoso em sua associação com progresso, que é entendido como “mudança para melhor”. Mas produz ansiedade pelo receio das conseqüências políticas e sociais. Foi sempre vinculado a uma área de conhecimento – só é global no nosso tempo.

Quando supomos que o Modernismo morreu, é porque não há vanguardas atuando – elas são o atestado de vitalidade de uma cultura.

  • Contextualização histórica

Model

– O período de Ecletismo: historicismo no formal, mas assimilando tecnologias do período.

. no século XIX (1816) a Missão Francesa e o Neoclássico

. nas províncias, arquitetura de influência da Côrte, depois São Paulo privilegia o art-nouveau. No Paraná, incidem a arquitetura da imigração e a da madeira.

. o art-déco surge em Paris em 1925, primeiro movimento de conteúdo Modernista.

. a “fase heróica” do Modernismo Brasileiro:

Warchavchic e Kirchgassner

Le Corbusier

Lucio Costa

Niemeyer

Continuadores: Affonso Reidy, Vilanova Artigas

. caracterização genérica: ferro, concreto, racionalidade explícita, estruturas e materiais aparentes, símbolo da modernidade, monumentalidade (busca de afirmação), plasticidade.

– Décadas do Modernismo no Paraná:

.anos vinte: Casa Kirchgassner

digitalizar0004

.anos trinta:

outras obras de Kirchgassner

art-déco obras públicas (CEP,Cefet,Correio)

princípio da verticalização

DSCF0672

. anos quarenta:

obras de Artigas em Curitiba e Londrina

estudantes no Rio de Janeiro e São Paulo

concurso do Guaíra:engenheiros architectos

prédios nas esquinas das praças

UNI 10

. anos cinqüenta:

Centro Cívico Estadual e o “centenário”

edifícios da UFPr

DSC_0028

. anos sessenta:

criação do CAU da UFPR

Plano Diretor de Curitiba e IPPUC

UNI 12

. anos setenta:

afirmação da profissão pelos concursos

início das idéias e obras de preservação

explosão da urbanização

UNI 17

. anos oitenta:

crítica do Modernismo e Pós-modernismo

Kitsch

Observação: algumas arquiteturas particularmente interessantes em Curitiba e no Paraná.

*Testemunhos da imigração (principalmente, poloneses, alemães, italianos e ucraínos (Casa dos Gerânios, arquitetura do Vêneto, Santa Felicidade)

Manoel Ribas 1978

*Arquitetura em madeira

(Casa de Estrela, Curitiba, Campus da PUC)

NEO 28

*Paranismo

(Calçada da Praça João Cândido, Bairro São Francisco,Curitiba)

Petit-pavê

LEITURAS RECOMENDADAS

Sobre Moderno e Modernismo

1 – HARVEY, David. Condição Pós-moderna. São Paulo, Loyola, 1992.

2 – HARDMAN, Francisco Foot. Trem fantasma; a modernidade na selva. São Paulo, Cia das Letras, 1988.

3 – KARL, Frederick. O moderno e o modernismo. Rio de Janeiro, Imago, 1988.

Sobre Arquitetura no Paraná e em Curitiba

4 – BERRIEL, Andrea e Suzuki, Luciana. Memória do arquiteto. Curitiba, UFPR, 2012.

5 – DUDEQUE, Irã Taborda. Espirais de madeira. São Paulo, Studio Nobel, 2001.

6 – IMAGUIRE, GASPAR, BAPTISTA, BERRIEL. A Casa de Araucária. Curitiba, Arquibrasil, 2011.

7 – XAVIER, Alberto. Arquitetura Moderna em Curitiba. São Paulo, Pini, 1985.

Sobre Arquitetura no Brasil

8 – BRUAND, Yves. Arquitetura Contemporânea no Brasil. São Paulo, Perspectiva, 1981.

9 – COSTA, Lucio. Registro de uma vivência. São Paulo, Editora das Artes, 1995.

10 – SEGAWA, Hugo. Arquiteturas no Brasil. São Paulo, Edusp, 1997.

 

 

 

Anúncios
%d blogueiros gostam disto: